quinta-feira, 18 de junho de 2009

Próxima parada: ECO-UFRJ

Um amigo uma vez falou que o designer que fica por mais de cinco anos em uma mesma instituição é alguém fadado à estagnação. Não sei se isso é verdade (e nem sei se ele mesmo acredita nisso hoje), mas não tenho como negar que tem sido uma constante em minha vida profissional.

Depois de quatro anos lecionando na Universidade Federal do Espírito Santo, fui selecionado como professor adjunto para a Escola de Comunicação da UFRJ.

Sentirei muita saudade dos colegas e dos projetos realizados na UFES. Foram quatro anos agitados, com o evento SDesign, em 2007, a coordenação do Núcleo de Ensino à Distância, as aulas de HQs, Multimídia 2, História das Técnicas e, principalmente, Projeto 3, que, creio, lançou alguns alunos no mercado. Acredito que conquistei vários amigos para a vida toda (coisa rara, não? ;-)) e me diverti enquanto trabalhava.

O calendário das mudanças começa agora no final de julho, com o nascimento de meu segundo filho, José Guilherme, o JG, e a entrada na UFRJ. E desta vez, contrariando aquele meu amigo, espero que muitos anos se passem antes de qualquer outra mudança radical.

5 comentários:

Rosa Duval disse...

Nossa, Octavio.
4 anos q passaram mui rápido. Ainda 'ontem' estávamos falando sobre sua mudança pra lá!
Pois é... E agora o JG chegando na área! rsrsrs
Isso q é bom, quando temos a sensação de que o tempo passa rápido e nos deixa mui coisa boa na bagagem.
Parabéns, guri!
bj
=^.^=

Octavio Aragão disse...

Oi, Rosa!
É isso aí, estamos de volta à cidade. E mais uma página das aventuras do clã Sampaio Aragão.

antiambiente disse...

boa jornada, Octávio.

Igor Mendonça Franzotti disse...

Lamento tal fato, visto que desenvolvi admiração e respeito por sua pessoa e por sua competência como designer, e claro, como professor.
Desejo sucesso e muitos outros desafios nessa labuta de professor de Desenho Industrial.
Só fica a pergunta: O que será do curso de DI da Ufes?
Qualquer pessoa mais atenta dirá: “o mar virou sertão”

Abraço.

Igor Franzotti

Octavio Aragão disse...

Igor, as mudanças nem sempre são para pior. A UFES terá oportunidade de receber novos profissionais, com outras visões e saberes. Renovação é a palavra-chave.